Proteção de Dados

Como alcançar a segurança com uso do Zero Trust?

Desde que os usuários começaram a se conectar por meio de dispositivos móveis não gerenciados e aplicativos de negócios conectados pela Internet, há uma necessidade crescente de implementar estratégias de segurança mais eficientes, a exemplo do Zero Trust. 

Zero Trust é um conceito apresentado pela Forrester Research há mais de uma década. O princípio fundamental da abordagem de confiança zero é o acesso com privilégios mínimos, que pressupõe que nenhum usuário ou aplicativo deve ser inerentemente confiável. 

Em sua essência, Zero Trust começa com base em que tudo é potencialmente hostil para uma organização e só é possível estabelecer uma conexão segura através de uma gestão e uso eficiente da identidade do usuário e no contexto de uso, a exemplo da localização do usuário, a postura de segurança do dispositivo de endpoint e o aplicativo ou serviço solicitado.

Zero Trust amplia a proteção e permite a modernização

A confiança zero não se trata simplesmente de uma única tecnologia, como identidade e acesso de usuário remoto ou segmentação de rede. Zero Trust é uma estratégia, uma base sobre a qual construir um ecossistema de segurança cibernética. Basicamente, existem três princípios em sua definição:

Encerrar todas as conexões

Muitas tecnologias, como firewalls, usam uma abordagem de “passagem”, o que significa que os arquivos são enviados a seus destinatários ao mesmo tempo, em que estão sendo inspecionados. 

Se um arquivo malicioso for detectado, um alerta será enviado, mas geralmente pode ser tarde demais. Em contraste, a confiança zero encerra todas as conexões para que possa manter e inspecionar arquivos desconhecidos antes que cheguem ao ponto de extremidade. 

Construído em uma arquitetura de proxy, o zero trust opera em linha e inspeciona todo o tráfego na velocidade da linha, incluindo o tráfego criptografado, executando dados profundos e análise de ameaças.

Proteja os dados usando políticas baseadas no contexto

A confiança zero aplica a identidade do usuário e a postura do dispositivo para verificar os direitos de acesso, usando políticas de negócios granulares com base no contexto, incluindo usuário, dispositivo, aplicativo solicitado, bem como o tipo de conteúdo. 

As políticas são adaptáveis, o que significa que conforme as mudanças de contexto, como a localização ou dispositivo do usuário, os privilégios de acesso do usuário são continuamente reavaliados.

Reduza o risco eliminando a superfície de ataque

O Zero Trust conecta os usuários diretamente aos aplicativos e recursos de que precisam e nunca os conecta às redes. 

Ao habilitar conexões um a um (usuário para aplicativo e aplicativo para aplicativo), a confiança zero elimina o risco de movimento lateral e evita que um dispositivo comprometido infecte outros recursos de rede. 

Com Zero Trust, os usuários e aplicativos são invisíveis para a Internet, portanto, não podem ser descobertos ou atacados.

Benefícios em adotar Confiança Zero

Reduz de forma efetiva o risco empresarial e organizacional

Como vimos anteriormente, Zero Trust pressupõe que todos os aplicativos e serviços são maliciosos e não têm permissão para se comunicar até que possam ser verificados positivamente por seus atributos de identidade. 

São propriedades imutáveis ​​do software ou dos próprios serviços que atendem a princípios de confiança pré definidos, como requisitos de autenticação e autorização.‍

A confiança zero, portanto, reduz o risco porque revela o que está na rede e como esses ativos estão se comunicando. Além disso, conforme as linhas de base são criadas, uma estratégia de Zero Trust reduz o risco, eliminando software e serviços super provisionados e verificando continuamente as “credenciais” de cada ativo em comunicação.

Fornece controle de acesso em ambientes de nuvem e contêineres

Os maiores temores dos profissionais de segurança sobre a mudança e o uso da nuvem são a perda de visibilidade e o gerenciamento de acesso

Com uma arquitetura de segurança de confiança zero, as políticas de segurança são aplicadas com base na identidade das cargas de trabalho de comunicação e vinculadas diretamente à própria carga de trabalho. 

Dessa forma, a segurança permanece o mais próximo possível dos ativos que requerem proteção e não é afetada por construções de rede, como endereços IP, portas e protocolos. Como resultado, a proteção não apenas acompanha a carga de trabalho onde ela tenta se comunicar, mas permanece inalterada mesmo quando o ambiente muda.

Ajuda a reduzir o risco de violação de dados 

Como a confiança zero é baseada no princípio do menor privilégio, toda entidade,  usuário, dispositivo, carga de trabalho, é considerada hostil. 

Como resultado, cada solicitação é inspecionada, usuários e dispositivos são autenticados e as permissões são avaliadas antes que a “confiança” seja concedida, e essa “confiabilidade” é continuamente reavaliada conforme qualquer mudança de contexto, como a localização do usuário ou os dados sendo acessados.

Se um invasor ganhar uma posição na rede, ou instância de nuvem por meio de um dispositivo comprometido ou outra vulnerabilidade, esse invasor não terá a capacidade de acessar ou roubar dados como resultado de não ser confiável. 

Além disso, não há capacidade de se mover lateralmente devido ao modelo de confiança zero de criar um “segmento seguro de um”, o que significa que não há nenhum lugar para onde um invasor possa ir. O acesso está sempre bloqueado.

Apoia iniciativas de conformidade

A confiança zero protege todos os usuários e conexões de carga de trabalho da Internet, para que não possam ser expostos ou explorados. Essa invisibilidade torna mais simples demonstrar a conformidade com os padrões de privacidade, a exemplo da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), e outras regulamentações, e resulta em menos descobertas nas auditorias.

Além disso, com a segmentação utilizada por Zero Trust (microssegmentação) implementada, as organizações têm a capacidade de criar perímetros em torno de certos tipos de dados confidenciais usando controles refinados que mantêm os dados regulamentados separados de outras informações não regulamentadas.

Quando chega a hora de uma auditoria, ou no caso de uma violação de dados, uma estratégia de segmentação de confiança zero fornece visibilidade superior e controle sobre arquiteturas de rede plana que fornecem acesso privilegiado.

Proteja seu ambiente com SafeNet Trusted Access e Zero Trust

A Thales em parceria com a E-VAL Tecnologia, oferece serviços de autenticação forte e eficazes que permitem que as empresas busquem políticas de autenticação consistentes em toda a organização, automatizando e simplificando a implantação e o gerenciamento de uma propriedade distribuída de tokens, enquanto protege um amplo espectro de recursos, sejam locais, baseados em nuvem ou virtualizado.

O SafeNet Trusted Access é um serviço de gerenciamento de acesso baseado em nuvem que combina a conveniência da nuvem e do logon único (SSO) da web com segurança de acesso granular. 

Ao validar identidades, impor políticas de acesso e aplicar Smart Single Sign-On, as organizações podem garantir acesso seguro e conveniente a vários aplicativos em nuvem a partir de um console fácil de navegar. 

Os aplicativos baseados em nuvem desempenham um papel vital no cumprimento das necessidades de produtividade, operacionais e de infraestrutura da empresa. No entanto, o desafio de gerenciar as múltiplas identidades de nuvem dos usuários aumenta à medida que mais aplicativos em nuvem são usados. 

Cada novo serviço adicionado à nuvem de uma organização torna a visibilidade unificada dos eventos de acesso mais difícil de alcançar e aumenta o risco de conformidade. Os usuários lutam para manter incontáveis ​​nomes de usuário e senhas, enquanto os tíquetes de help desk que exigem redefinições de senha são abundantes. E com os aplicativos em nuvem protegidos, por padrão, apenas com senhas estáticas fracas, o risco de violação de dados aumenta.

Benefícios do SafeNet Trusted Access

O SafeNet Trusted Access evita violações de dados e ajuda as organizações a cumprir requisitos e regulações, a exemplo da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), permitindo que migrem para a nuvem de forma simples e segura. Os recursos mais importantes incluem:

  • Flexibilidade na implantação: instalação no local ou apenas na nuvem, migração possível a qualquer momento;
  • Redução de custos de help desk através do portal de autoatendimento SAS e alto grau de automação;
  • Proteção para aplicativos internos e em nuvem;
  • Implementado de forma rápida, fácil de operar e escalável de forma flexível;
  • Autenticação forte para quase todas as plataformas e aplicativos;
  • Integração por meio de SAML, agentes, RADIUS ou APIs;
  • Vários fatores de autenticação para cada necessidade: hardware e tokens de software, SMS e muito mais;
  • Inscrição automatizada via web e e-mail;
  • Capacidade de múltiplos clientes: centralmente em toda a empresa, também com delegação;
  • Processos certificados: ISO 27001, SSAE 16 SOC-Tipo 2.

O SafeNet Trusted Access da Thales traz segurança para acesso e autenticação com uso da estratégia de Zero Trust

Com o SafeNet Trusted Access, os clientes podem autenticar o acesso à API, reduzindo a superfície de ameaça no ambiente de TI de uma organização. Embora a adoção da API esteja aumentando, muitas organizações ainda contam com sistemas locais para administrar seus negócios (por exemplo, sistemas de RH e ERP), tornando o gerenciamento de acesso consistente e a autenticação cada vez mais complexa, ao mesmo tempo que impactam negativamente na experiência do usuário.

Muitas organizações enfrentam uma complexidade crescente em seus ambientes de TI

Muitas organizações enfrentam o desafio de aplicar autenticação e gerenciamento de acesso moderno e uniforme a esses aplicativos.

O SafeNet Trusted Access reduz o risco de violação de dados, fornecendo às organizações uma ampla gama de autenticação e acesso baseado em políticas. Isso dá às empresas a agilidade para fornecer segurança e autenticação flexíveis em todo o ambiente.

Combinados com a melhor autenticação e segurança de acesso da classe, os clientes agora podem superar a complexidade, reduzir os silos de acesso e prosperar enquanto passam por sua transformação digital e na nuvem.

Sobre a E-VAL Tecnologia

A E-VAL Tecnologia atua há mais de 16 anos oferecendo soluções de segurança da informação para o mercado, pioneira em iniciativas no uso da certificação digital no Brasil, tais como, SPB, COMPE, Autenticação, Assinatura digital de contratos, Gerenciamento de Chaves e Proteção de dados e armazenamento de chaves criptográficas para os segmentos de instituições financeiras, educação e indústria.

Siga-nos nas redes sociais:
error

Gostou do blog? Compartilhe já :D